Notícias

20 de Outubro de 2021

Dia mundial de combate à Osteoporose: Nuti realiza atividades sobre prevenção da doença

Por  Maria de Fátima Visgueira

Hoje, 20 de outubro, é o dia mundial ao combate à Osteoporose. A data é uma forma de conscientizar sobre a prevenção, diagnóstico e tratamento da doença. As alunas do Núcleo de atividade física para a Terceira idade (Nuti/UESPI) têm desempenhado atividades físicas para combater o sedentarismo e a Osteoporose com apoio das estagiárias dos curso de Medicina e Educação Física.

Atualmente, o Nuti conta com nove estagiários, sendo seis de Educação Física e três discentes de Medicina.  Eles desempenham atividades on-lines enviando vídeos semanais com exercícios para os alunos do programa.

 Oesteoporose: cuidados na velhice

Segundo a estudante de Medicina, Joana Macedo, a Osteoporose é definida como a perda acelerada de massa óssea, que ocorre durante o envelhecimento, uma vez que com o passar dos anos o organismo perde progressivamente a sua capacidade em metabolizar e absorver o cálcio.

A discente do 7° período e estagiária do Nuti aponta que “a doença é caracterizada por fraqueza nos ossos, que ficam mais frágeis e, assim, aumenta  o risco de fratura. Outras doenças também podem causar a Osteoporose, como menopausa precoce, hiperparatireoidismo, síndromes de má absorção, artrite reumatoide, dentre outras. Essas situações fazem com que o organismo não funcione da maneira adequada, havendo um desequilíbrio entre a formação e a destruição óssea, tornando os ossos frágeis e com maior probabilidade de fraturas”, explica. Para o combate da doença, o recomendado é praticar atividades físicas e ter uma boa alimentação.

Assista a explicação da aluna sobre a importância da campanha:

A alimentação saudável com frutas e verduras e a prática de exercícios físicos foram adotados pela aluna da Unati, Maria Eliete Quirino, de 70 anos, que descobriu que tinha osteoporose recentemente, mas com as atividades físicas recomendadas no Nuti tem melhorado.

A estudante de Educação Física e estagiária do Nuti,  Elzivane Rocha, disse que o sedentarismo é prejudicial para quem é portador da osteoporose, porque a vida sedentária pode acelerar a perda da massa óssea. “A falta de exercícios físicos vai significar uma ausência de estímulo muscular sobre o esqueleto e isso vai fazer com que fique mais propício a doença”, afirmou.

A estudante de medicina Joana Macedo também confirmou a importância de um estilo de vida saudável, com a prática de exercícios físicos regulares, dieta balanceada rica em cálcio, “além de ser recomendado pelo médico o uso de suplementos ou medicamentos que ajudam no processo de reabsorção de cálcio e formação da massa óssea”.

De acordo com discente de medicina, a osteoporose não tem cura, mas tem tratamento que pode promover qualidade de vida para quem tem a doença.  “Apesar dessa doença não ter cura, o tratamento pode ser feito com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da pessoa e diminuir o risco de fraturas e de doenças associadas”, acrescenta.

Ela informa que os locais mais afetados são a coluna (vértebras), a bacia (fêmur), o punho (rádio) e braço (úmero). Destas, a fratura mais perigosa é a do colo do fêmur. Na maioria dos casos, a osteoporose não leva ao aparecimento de sinais ou sintomas, sendo o diagnóstico realizado após a ocorrência de fraturas. O principal método para diagnosticar a osteoporose é a densitometria óssea. O exame mede a densidade mineral óssea da coluna lombar e do fêmur.

A doença é hereditária, isso significa que se na família houver histórico de parentes com a doença, as chances de desenvolver o mesmo problema são aumentadas. Elzivane Rocha relata que a osteoporose pode se iniciar em diversas faixas etárias, “nas mulheres, principalmente, pós-menopausa entre 40 a 45 anos, deve-se ter uma preocupação com osteoporose, com os homens pode aparecer aos 50 anos”.

A aluna do programa Unati/Nuti, Dona Ducileide Santos, de 66 anos, sabe sobre a importância de uma boa alimentação e trabalha na prevenção da doença.“A alimentação é necessária. Comer bastante alimentos que contenham cálcio, praticar  exercícios e a alimentação saudável são nossos aliados”.

Depoimento da aluna Maria Eliete Quirino:

Prevenção a Osteoporose

Joana Macedo destaca pontos que devem ser levados em conta por todos os idosos que podem ser acometidos pela doença. “Exercícios físicos, principalmente, a musculação, pelo menos 4x por semana auxiliado por um Educador Físico, uma dieta saudável rica em cálcio (alimentos como brócolis, espinafre, linhaça e aveia são boas fontes de cálcio), evitar álcool, não fumar e sempre buscar acompanhamento médico com o reumatologista, especialmente mulheres pós menopausa e idosos, os quais são mais vulneráveis à doença”.

Além disso, ela fala que é recomendado que sejam feitos exercícios que aumentem a densidade óssea. “Atividades físicas é uma medida importante dentro do tratamento e prevenção da Osteoporose, pois trabalha a favor da integridade dos ossos. O fortalecimento dos músculos cria uma camada de proteção que é importante para reduzir o risco de fraturas, por exemplo. Atividades como musculação e caminhadas são ótimas opções, pois esses exercícios atuam no desenvolvimento muscular e geram contrações que são essenciais para a saúde óssea. Além disso, o exercício estimula a massa óssea, melhorando a densidade do esqueleto. Além de exercícios de baixo impacto dependendo da idade, como: hidroginástica, natação, dança ajudam no tratamento da Osteoporose”, finaliza.

Seu curso tem um projeto bacana e quer ver ele aqui no site da UESPI?
Envie informações à Ascom para o email: comunicacao@uespi.br

Siga a #NossaUespi nas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram e Youtube.