26 de julho de 2013

 

A Universidade Estadual do Piauí – UESPI através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação- PROP parabeniza os professores Alberto Pereira Madeiro (Medicina, CCS) e Guilherme Fernandez Gondolo (Biologia, Campo Maior) pela aprovação de projetos de pesquisa junto ao Edital FAPEPI/SESAPI/MS/CNPq/N003/2013, Programa Pesquisa para o Sistema Único de Saúde: gestão compartilhada em saúde (PPSUS).

Os projetos aprovados foram “Panorama da mortalidade de mulheres no Estado do Piauí: magnitude, tendência e análise espacial dos óbitos maternos e em idade fértil entre 2008 e 2012″ e “Avaliação do pescado proveniente do rio Surubim em Campo Maior/PI”, respectivamente. Na seleção puderam participar pesquisadores com titulação de Doutor ou de Mestre e com vínculo funcional com universidades, institutos, centros, fundações de pesquisa e desenvolvimento. Foram 74 propostas submetidas, das quais 26 foram recomendadas pelo comitê gestor.

Nesta edição do PPSUS serão aplicados mais de R$ 1 milhão em recursos advindo de parceria entre o Ministério da Saúde e a FAPEPI. Nos projetos há a distribuição das propostas em duas faixas. A primeira faixa, voltada para pesquisadores com o título de doutor, tem projetos com recursos no valor de R$ 70 mil enquanto a segunda faixa, voltada para mestres, conta com recursos no valor de R$ 30 mil.

“A captação de recursos externos para financiamento de pesquisa deve ser sempre incentivada e ser meta do nosso corpo docente, o que visa o desenvolvimento da pesquisa científica na UESPI”, o coordenador de pesquisa da PROP, José Evando Aguiar Beserra Júnior.

Sobre as pesquisas, o Professor e Diretor do Campus de Campo Maior Guilherme Gondolo buscará correlacionar a influência que o lixão da cidade (que fica às margens do referido rio) e outros meios de poluição das águas causam, tanto na qualidade da água, como também na qualidade do peixe que é consumido pela população.

“A importância do projeto para a população será de esclarecer se os peixes que servem de alimento para muitas pessoas na região são próprios para o consumo ou não. Além disso, o projeto contribuirá para os gestores do município, que saberão de fato qual a influência do lixão no seu ecossistema e ainda os nossos resultados servirão de base para o monitoramento da região, após a desativação do lixão e a transferência dos resíduos para o aterro sanitário que está sendo construído no município”, explica.

Já para a UESPI, o docente lista as inúmeras contribuições. “Podemos listar o aumento da produtividade científica, as orientações de graduação e pós-graduação que Projeto poderá proporcionar. Também pode ser mencionado o aporte de recursos financeiros, tanto como material de consumo e de aquisição de equipamentos que o projeto proporcionará. Entretanto, talvez o mais importante é a divulgação do nome da Instituição”, enfatiza.

O projeto será executado por pelo professor Guilherme Gondolo em conjunto com as professoras Dra Alessandra Torres (Biologia, UESPI-Parnaíba), Dra Eveline de Abreu (Química, UESPI-Piripiri) e Dra Ruceline Lins (Biologia, UFPI-Paraníba). E contará ainda com a colaboração da Vigilância Sanitária e da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do município de Campo Maior.